ContraConversa: Com Marcos Paulo Candeloro.

Marcos Paulo Candelouro, o prolixo colunista do ContraCultura, fala sobre a tragédia do Rio Grande do Sul, a sua experiência como aluno do Professor Olavo de Carvalho e a actualidade política no Brasil e no mundo.

Entre o Tempo e a Eternidade.

Marcos Paulo Candeloro evoca Santo Agostinho, que numa época conturbada pela queda do Império Romano surgiu como uma luz guia, fazendo a síntese entre a fé e a razão para concluir que o verdadeiro conhecimento só pode ser alcançado através da iluminação divina.

RFK Jr. e a Conspiração da CIA: A Verdadeira História por Trás do Assassinato de John F. Kennedy.

Marcos Paulo Candeloro comenta as declarações de Robert Kennedy Junior, que no podcast de Tim Pool reafirmou a sua convicção de que a CIA foi responsável pela morte de JFK, num esforço para proteger interesses que estavam a ser ameaçados pela administração de Kennedy.

Lava Jato, Toffoli e o Circo do Cerceamento da Liberdade de Expressão.

Enquanto os processos do Lava Jato estão a ser anulados, a liberdade de expressão continua a ser cerceada no Brasil. Marcos Paulo Candeloro retrata um país refém de políticos criminosos, que usam malabarismos jurídicos para fazer vingar a sua fome de poder.

Mito da Caverna:
O Dualismo de Platão.

Marcos Paulo Candeloro evoca Platão, cuja mensagem ressoa, com urgência renovada, como um convite à constante busca pelo conhecimento autêntico, num mundo onde as sombras na parede da caverna parecem mais reais do que nunca.

Ilusões, promessas e desprezo.

Marcos Paulo Candeloro denuncia a magia negra da classe política contemporânea, que nos ilude com promessas de prosperidade, só para constituir um obstáculo ao progresso.

Desperdício e desatino: Congresso americano bate record de irresponsabilidade.

Entre a comédia e a tragédia, Marcos Paulo Candeloro escreve sobre o festival de idiotia unipartidária que o Congresso norte-americano está a oferecer ao mundo, nos últimos tempos.

Quem tem medo do Big Brother brasileiro?

Marcos Paulo Candeloro escreve sobre as ordens judiciais que Alexandre de Moraes emitiu em relação aos utilizadores brasileiros do X e que a Câmara dos Representantes dos EUA tornou públicas na semana passada.

Como Lenin transformou Stalin em um ditador sanguinário.

A propósito de "Estaline: Nova Biografia de um Ditador", Marcos Paulo Candeloro escreve sobre a influência que o radicalismo de Lenine exerceu sobre Estaline e como a pressão de ideologias intensamente polarizadoras pode ensombrar o mundo.

A aliança contra as democracias.

Marcos Paulo Candeloro escreve sobre a profana aliança entre a Rússia e a China, e a extensão do suporte que prestam a ditaduras, como a Venezuela, a Coreia do Norte e Cuba.

A fábula da democracia no Irã.

Num momento de tensão máxima no Médio Oriente, Marcos Paulo Candeloro escreve sobre o regime iraniano, um actor que desempenha múltiplos papéis com uma habilidade que poderia ser vista como notável, se não fosse pela trágica realidade do seu contexto.

A valsa de Nietzsche na beira do abismo.

Marcos Paulo Candeloro escreve sobre o legado de Nietzsche, que talvez seja um lembrete irónico de que, na nossa busca desesperada por significado num mundo sem Deus, todos nós podemos estar, de facto, apenas dançando à beira de um abismo filosófico.

O Protetor da Democracia ou o Predador da Liberdade?

Marcos Paulo Candeloro acusa Alexandre de Moraes de se tornar mais um agente do caos do que um guardião da justiça, desrespeitando o processo legal e manchando a reputação de uma instituição que supostamente deveria defender.

Entre a farsa judicial e a demolição da democracia brasileira.

Marcos Paulo Candeloro escreve sobre a desintegração da democracia brasileira, que sob a tutela de um supremo tribunal tirânico e plenipotenciário, que se considera acima de qualquer escrutínio, desvirtua o próprio significado de justiça.

Albert Camus e a alegria de viver no absurdo.

No início de uma colaboração transatlântica, Marcos Paulo Candeloro escreve sobre a filosofia de Albert Camus que, num mundo desprovido de sentido, emerge como um farol, iluminando um caminho de resistência, paixão e, sobretudo, amor pela vida.

Alexandre de Moraes pode acabar com a liberdade de expressão, e com a democracia constitucional, no Brasil.

No Brasil, trava-se uma decisiva batalha pela liberdade de expressão, dada a recusa de Elon Musk em bloquear contas no X de que o juiz Alexandre Moraes não gosta. Considerando que se trata do primeiro país da língua portuguesa, é esse património que está sob ataque cerrado.