As recentes eleições francesas ilustraram o facto de que as elites estão dispostas a aliarem-se alegremente aos radicais de esquerda apenas para impedir a vitória dos partidos populistas ou nacionalistas.

Depois de uma promissora liderança na primeira volta, o Rassemblement National de Le Pen ficou em desvantagem na segunda volta das eleições legislativas do país, acabando por ficar em terceiro lugar no que respeita a lugares na Assembleia Nacional, a câmara baixa de França, graças a uma aliança entre duas coligações que têm tanto em comum como Lenine e J. P. Morgan: a Nouveau Front Populaire (NFP), de extrema-esquerda, e o Ensemble globalista-corporativo, do Presidente Emmanuel Macron.

Os mais de 300 candidatos da primeira volta passaram a uma segunda volta a três, envolvendo o Rassemblement National, a NFP e o Ensemble. Se na segunda volta essas eleições tripartidas tivessem sido realizadas, o partido de Marine Le Pen teria uma boa hipótese de obter a maioria. Mas em resposta a essa ameaça, mais de 200 candidatos do Ensemble e do NFP retiraram-se da corrida para evitar a divisão dos votos e dar a vitória aos nacionalistas. Nalguns casos, Macron teve de pressionar os candidatos do Ensemble a desistir para dar a vantagem aos candidatos do NFP.

Assim, os esquerdistas e os centristas conspiraram para manipular o sistema eleitoral francês e garantir que o Rassemblement National não tivesse qualquer hipótese de chegar ao poder.

Nenhum partido obteve uma maioria absoluta nestas eleições, pelo que o país terá de formar uma coligação governamental. A Assembleia Nacional precisa de 289 lugares para obter a maioria. O NFP obteve 182 lugares, o Ensemble 163, o Rassemblement National 143 e o Les Republicans (o partido de centro-direita de França) apenas 39.

Apesar de o Rassemblement National ter subido mais de 18 pontos em relação ao seu desempenho nas eleições legislativas de 2022, não há nenhuma hipótese de integrar o novo governo. O nível de cooperação durante as eleições torna quase certa uma coligação NFP-Ensemble.

Mas essa cooperação tem um preço, e esse preço resultará muito provavelmente na integração de partidos de extrema-esquerda e até mesmo de partidos comunistas no novo governo. O programa do NFP prevê o aumento da despesa pública até ao ponto da esquizofrenia, o controlo dos preços dos bens de primeira necessidade (um método que nunca funcionou na história da economia) e uma nova agência governamental para abrir ainda mais, se possível, as portas aos imigrantes estrangeiros.

Entretanto, as posições económicas do Rassemblement National não diferem muito das do Ensemble e mesmo de alguns partidos de esquerda. Mas, tal como em muitos outros países ocidentais, o afluxo massivo de imigrantes estrangeiros a França durante a última década – 2023 estabeleceu um novo recorde – representou o tema destas eleições. E foi aí que o partido entrou em conflito com a elite francesa.

Todos os outros partidos políticos e meios de comunicação social classificaram o Rassemblement National como “extremista de direita”, simplesmente porque não querem que hordas de migrantes sobrecarreguem a sua economia, fomentem o terrorismo islâmico, desencadeiem uma onda de crimes violentos e corroam lenta mas seguramente a identidade francesa.

O Governo de Macron aprovou, no final do ano passado, uma lei que impõe um mínimo de restrições à migração em cadeia e ao acesso dos migrantes à segurança social, mas o seu partido mantém-se dentro dos limites da política “respeitável”. Os partidos podem ajustar a política nos limites e permanecer “respeitáveis”, mas qualquer desafio real ou sincero à migração em massa é rotulado como “extremista”.

As elites ocidentais importaram milhões de pessoas para obterem mão de obra barata, votos garantidos e a satisfação presunçosa de estarem a ajudar “os oprimidos”. Não conseguem admitir que estas políticas provocaram o desastre nos seus países, por isso, em vez de darem ouvidos ao mandato do povo e formarem um governo com o Rassemblement National, vão dar rédea solta aos radicais de esquerda, que certamente não vão perder esta oportunidade para destruir a França que ainda não foi destruída (também já não resta grande coisa).

Na sequência do seu triunfo, os apoiantes da nova aliança de esquerda saíram às ruas de Paris para se entregarem ao seu passatempo favorito – incendiar coisas. A aliança profana de Macron com a extrema-esquerda francesa quase certamente condena a nação, outrora soberana, à depredação económica às mãos dos socialistas radicais e à aniquilação cultural devido à migração em massa que não só é permitida como é defendida como um bem absoluto.

As eleições francesas ilustraram mais claramente do que nunca que os tecnocratas das elites neo-liberais formarão de bom grado uma aliança cínica e destruidora, mas altamente eficaz, com ideólogos radicais de esquerda, em vez de deixarem que a vontade dos povos nativos seja ouvida e que nacionalistas ou populistas acedam ao poder. E deixarão que a esquerda incendeie os países só para não terem de enfrentar a verdade sobre as suas desastrosas políticas de imigração.